quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Novo, de novo.

Resolvi manter essa chama acesa...
Estava me sentindo sem ar, incomodada, afobada, sem saber porque...
Hoje entendi. Preciso, por mim, alimentar essa chama. Branda, por 7 meses, mas viva, pois acredito ter encontrado, te, nos e me encontrado.
Por esse meu novo amor me alimentarei, para vivê-lo maduramente. Permanente. Completo. Pleno. Di, diário.

domingo, 2 de outubro de 2011

E se foi...

"Eles não se entendiam, raramente concordavam em algo. Brigavam sempre. E se desafiavam todos os dias. Mas, apesar das diferenças, tinham algo importante em comum : eram loucos um pelo outro ." - Diário de uma Paixão

É, era mais ou menos exatamente assim, não era?

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Somos 3.

Ela é doce, suave, da paz: “se tem, tem, se não tem, tá tudo bem também”...
Ela é chocolate branco e eu meio amargo. Mas ela é a Preta e eu sou a Branca.

Ele é turrão, bicho do mato: às vezes some, às vezes vem, mas ficar não fica não...
Mas ele tem bom coração, de pura emoção. Ele é amor e eu... eu também.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Encontro

Outra noite encontrei meu lado escuro. Sabe aquele nosso lado responsável pelas nossas ações e sentimentos que não nos orgulhamos, que desprezamos, dolorosos? Então, ele...

Num sonho, estava eu seguindo outras duas pessoas tentando achar uma porta que nos levaria a uma passagem quando ele cruzou meu caminho e desviou meu foco. Para minha surpresa ele não era disforme, não tinha olhos vermelhos, não babava verde e nem tinha orelhas pontudas. Era alto, magro, moreno, sem óculos e nem aparelho nos dentes. Andava rápido e para terem noção de como é trabalhador, usava terno e gravata; com paletó fechado cor chumbo e tudo!
Saí do meu rumo e fui atrás dele, pois ultimamente tenho sentido muita raiva: raiva de coisas, de pessoas, fatos, atitudes, ignorâncias, conhecimentos, mentiras e até verdades, mas principalmente de sentir raiva. (O trânsito tem sido meu ringue, meu saco de boxe: pareço uma lunática dirigindo, tolerância com saldo devedor!)

Bom, ele entrou numa porta e antes que a fechasse, segurei. Então a raiva veio. Senti ela subindo pelo meu corpo e, lógico, parou na minha garganta. Nos encontramos, entreolhamos, e disse: “- Estou com muita raiva, e ela é sua, não minha”. Nesse exato momento, meu corpo relaxou e não senti mais nada, nem mesmo minha garganta quente. Ele arregalou os olhos e num impulso desesperado disse: “- Você é sabotadora e manipuladora!”. E eu, já me sentindo mais aliviada, calma e serena, sorri e respondi: “- Não, isso é o que você quer que eu seja, mas também é você”.
Fechei a porta e acordei.

Bom, hoje ando dirigindo mais tranquilamente, observando o que tem em volta, benevolente...
Mas continuo de olho em tudo que me faz encontrar minha raiva, pois se está no outro, é porque mora em mim...

E você? Conhece sua raiva? O que tem feito com ela?

terça-feira, 5 de julho de 2011

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Mais um último dia...

Estive pensando em escrever para cada um que me ajudou nesse período que estive aqui na empresa, sabe...
Agradecer o aprendizado, o companheirismo, as ajudas, a paciência....

Aí pensei quem seriam essas pessoas, e adivinhem!?

Cheguei em vocês!

Então, queria agradecer vossas companhias, de segunda a sexta dás 9h às 18h (alguns 15h, outros 17:30), os “rodízios” de atenção, os emails, os links, as fotos, os papos, as discussões, enfim, vocês foram cruciais para que esses 7 meses passassem de forma mais branda... na verdade, foram essenciais para que agüentasse esses 7 meses (não, dessa vez não tô com drama, vcs sabem! Rs)

Estive pensando o que foi essa experiência e queria dividir isso:
Apesar de ver que devo ser mó legal pq tenho amigos mó legais...rs... Vi que aprendemos muito com bons exemplos, mas ter que lidar com pessoas que tem os mesmos defeitos que vc, pode te agregar muito mais!
Talvez não te mostrando o caminho que deva seguir, mas qual não! E então você reflete tudo que já fez e como fez, e aí sim abre vazão pra ver como pode fazer diferente! (Ainda mais se nesse mesmo ambiente tiver um outro exemplo!)

E aí (alguns) vcs perguntam: - ok, mas precisava ter isso por 1 ano?Uma semaninha, um mês, não dava!?
Aí respondo: - Ué, tem gente que convive comigo há 30! rsrsrs

E então, meus caros, nasce um aprendizado sem tamanho...
Não que eu saia daqui fazendo tudo diferente (e não me refiro apenas profissionalmente, ok?), não... mas entendi porque vivi isso nessa etapa da vida... pq pude rever o antes (tive tempo de ter experiências significativas) e tenho a chance de “mudar” o depois!

Conquista? Vitória?... diria presente.
Exageiros a parte, cumpri o que me propus, e isso também teve seu valor.


Mais um capítulo! Vamos pro próximo!

Amo-lhes!



segunda-feira, 27 de junho de 2011

Forjando a armadura

Sábias palavras... e oportunas, obrigada!

Nego-me a submeter- me ao medo
Que me tira a alegria de minha liberdade
Que não me deixa arriscar nada
Que me torna pequeno e mesquinho
Que me amarra
Que não me deixa ser direto e franco
Que me persegue, que ocupa negativamente minha imaginação
Que sempre pinta visões sombrias
No entanto não quero levantar barricas por medo do medo
Eu quero viver, e não quero encerrar-me
Não quero ser amigável por ter medo de ser sincero
Quero pisar firme porque estou seguro e não para encobrir meu medo
E quando me calo, quero fazê-lo por amor
E não por temer as conseqüências de minhas palavras
Não quero acreditar em algo só pelo medo de não acreditar
Não quero filosofar por medo de que algo possa atingir-me de perto
Não quero dobrar-me, só porque tenho medo de não ser amável
Não quero impor algo aos outros pelo medo de que possam impor algo a mim
Por medo de errar, não quero tornar-me inativo
Não quero fugir de volta para o velho, o inaceitável
Por medo de não me sentir seguro no novo
Não quero fazer-me de importante por temer que, do contrário, seria ignorado
Por convicção e amor, quero fazer o que faço
E deixar de fazer o que deixo de fazer
Do medo quero arrancar o domínio e dá-lo ao amor
E quero crer no reino que existe em mim.”

Pó.

Na areia construi meu castelo... hj movediça, me engoliu.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Culpa, me desculpa?

Estou sufocada delas. Não sei se vou me curar, mas resolvi listá-las:

. culpa de não acordar mais cedo e ir pra academia sendo que me sinto tão bem quando faço isso.
. culpa de não falar mais com meus irmãos e ver pouco meu pai.
. culpa de não conseguir planejar muito o meu futuro($$).
. culpa de ficar navegando na internet no horário de trabalho.
. culpa de não ter terminado alguns livros.
. culpa quando bebo, fumo e saio da dieta.
. culpa por não querer vender meu carro e assim economizar mais.
. culpa de gostar de farra mais do que qualquer outra coisa no mundo.
. culpa por não viajar tanto quanto queria.
. culpa das semanas que passo sem assistir nem um filme.
. culpa por não ter mantido minhas aulas de inglês e não intensificar o espanhol.
. culpa das coisas que não percebo.
. culpa de ter magoado.
. culpa de não acompanhar mais de perto a vida de alguns amigos.
. culpa por não estar fazendo uma pós, um mestrado, um doutorado...
. culpa por não conseguir fazer diferente, mudar algumas coisas.
. culpa por não conseguir esquecer, e não conseguir lembrar.
. culpa quando perco a paciência e foco nas deficiências.
. culpa por não saber com o que quero trabalhar.
. culpa por não estar casada, com filhos, na nossa casinha comprada.
. culpa por amar demais e tb de menos.
. culpa de saber que são só, e tão culpas.

Culpa, me desculpa!?

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Ódio não. Mas odeio.

Odeio por não me abraçar em público e não me tocar.
Odeio quando me diz o que quero ouvir só pra me ver sorrir.
Odeio quando você mente e
Odeio a força dos seus dentes.
Odeio não poder te ligar só pra te contar.
Odeio não estar em todos os seus tempos.
Odeio duvidar e não te escutar.
Odeio por me fazer chorar e não conseguir compartilhar.
Odeio tanto por não me querer e também não me ceder.
Odeio o fato de mesmo assim não conseguir te odiar, nem só pra experimentar.

*Idéia baseada no filme “10 coisas que odeio em você”, adaptado pra você, com amor!

domingo, 17 de abril de 2011

The Killers - Lollapalooza

Demorei pra escrever sobre isso... mas é que foi realmente muito especial.


Não foi um capricho, apenas uma loucura, ou uma “despirocada” insana. Foi um presente.


Não era um show. Era a Banda. Não era uma viagem. Era um evento. Tudo fazia parte, desde o início, um ritual. E lógico, muitas barreiras transpassadas. Tinha tudo pra não dar, mas deu. Curtimos cada momento, tiramos proveito de todos eles, dos melhores e... digamos dos não tão bons. E rimos, claro! (Como sempre)

Destino: Santiago, Chile. A viagem foi digamos que comprida: 12 horas parados em carrasco, não, parados é gentileza, presos na verdade... Sem poder sair do aeroporto nem pra um cigarro, um ar, uma água. Exato, não tinha uma cafeteria nem para uma água. Nossa única e acertada decisão foi pagarmos U$40 para desfrutarmos do espaço “Dinners” onde podíamos comer uns petisquinhos, beber a vontade, ver TV, acessar a net e até tirar um cochilo no espaço “relax”. Lógico, bebemos cerveja até às 4h quando nossos corpos se renderam ao sono... Bom, isso foi a ida.

O local: O albergue era ótimo e ainda a menos de 20 min. a pé do Parque O´Higgins, palco do Lollapalooza. Bom, poupando os detalhes, entramos por volta das 18h... O espaço VIP open bar se referia, na verdade, a sanduiches, salgadinhos e espetinhos de frutas circulando por todo momento + 2 cervejas por pessoa + uma dose de whisky. Isso, era esse diferencial da ala VIP. Era isso que eles julgavam o suficiente de bebida para nós nos divertimos... Definitivamente não nos conheciam... O pessoal da geral se contentava com água e refrigerante! Exato, nessa hora também pensei nisso: “Imagina isso no Brasil”. Ah! E antes que se perguntem: Não, não tinha nem vendendo. Mesmo que quisesse, não tinha onde comprar! Mas... o parque era delicioso, o clima estava fantástico e o pôr-do-sol fabuloso!

O Show: Genial. Como imaginávamos. Achamos que veríamos lá da ala vip, sossegados, mas já na primeira música fomos nos enfiando lá pra frente. No final, anestesiada, ainda me colocam no back stage, exato, nos containers atrás do palco pertinho da banda... mas minha “caipirice” não me deixou chegar a tempo de vê-los... peguei só o último mas que ainda me rendeu uma foto. Não conseguia falar nada, estava sem reação, minhas pernas tremiam e não sabia pra onde olhar... Fechou com chave de ouro! E de anestesiada fui para o embasbacada! Parecia uma morta viva, tentando assimilar tudo aquilo, meio sem reação, ainda desacreditando, sonhando acordada... E assim fiquei acho que por mais umas horas... ou diria até o dia seguinte mesmo...

A volta: Sim, também com seus contra-tempos, muito cansaço, uma certa anestesia mas agora já consciente, agradecidos e.... e.... bom, não sei ainda... as vezes nos pego lembrando disso e acho que ainda não encontramos uma palavra... o mais perto acho que seria “Fabolous”. Bom, resumindo: a melhor maneira de iniciar meus 30! Imagina o que não vem por ai!!! A banda tinha que ser essa. A companhia não podia ser outra. E Chile foi o palco perfeito!




Lollapalooza - Santiago, Chile - 02/04/11



When You Were Young -The Killers - You sit there in your heartache Waiting on some beautiful boy To save you from your old ways You play forgiveness Watch it now- here he comes He doesn't look a thing like Jesus But he talks like a gentlemen Like you imagined when you were young Can we climb this mountain I don't know Higher now than ever before I know we can make it if we take it slow Let's take it easy Easy now, watch it go We're burning down the highway skyline On the back of a hurricane that started turning When you were young When you were young And sometimes you close your eyes and see the place where you Used to live When you were young They say the devil's water, it ain't so sweet You don't have to drink right now But you can dip your feet Every once in a little while You sit there in your heartache Waiting on some beautiful boy To save you from your old ways You play forgiveness Watch it now- here he comes He doesn't look a thing like Jesus But he talks like a gentlemen Like you imagined when you were young When you were young I said he doesn't look a thing like Jesus He doesn't look a thing like Jesus But more than you'll ever know





video


video






video

domingo, 10 de abril de 2011

Ser 30


Bom, difícil explicar o que é fazer 30 anos, mas se o Jabor estiver certo, e acho que está, quero ser 30 pra sempre!



"Á medida que envelheço, e convivo com outras, valorizo mais as mulheres que estão acima dos 30. Estas são algumas razões do porquê: - Uma mulher de 30 nunca o acordará no meio da noite para perguntar: "O que você está pensando?" Ela não se importa com o que você pensa, mas se dispõe de coração se você tiver a intenção de conversar. - Se uma mulher de 30 não quer assistir o jogo, ela não fica à sua volta resmungando. Ela faz alguma coisa que queira fazer. E, geralmente é alguma coisa bem mais interessante. - Uma mulher de 30 se conhece o suficiente para saber quem é, o que quer e quem quer. Poucas mulheres de 30 se incomodam com o que você pensa dela ou sobre o que ela está fazendo. - Mulheres dos 30 são honradas. Elas raramente brigam aos gritos com você durante a ópera ou no meio de um restaurante caro. É claro, que se você merecer, elas não hesitarão em atirar em você, mas só se ainda sim elas acharem que poderão se safar impunes. - Uma mulher de 30 tem total confiança em si para apresentar-te para suas melhores amigas. Uma mulher mais nova com um homem tende a ignorar mesmo sua melhor amiga porque ela não confia no cara com outra mulher. E falo por experiência própria. Não se fica com quem não se confia, vivendo e aprendenndo né??? - Mulheres se tornam psicanalistas quando envelhecem. Você nunca precisa confessar seus pecados para uma mulher com mais de 30. Elas sempre sabem. - Uma mulher com mais de 30 fica linda usando batom vermelho. O mesmo não ocorre com mulheres mais jovens. - Mulheres mais velhas são diretas e honestas. Elas te dirão na cara se você for um idiota, se você estiver agindo como um! - Você nunca precisa se preocupar onde você se encaixa na vida dela. Basta agir como homem, e o resto deixe que ela faça. - Sim, nós admiramos as mulheres com mais de 30 por um "sem" número de razões. Infelizmente, isso não é recíproco.Para cada mulher de mais de 30, estonteante, inteligente, bem apanhada e sexy, existe um careca, velho, pançudo em calças amarelas bancando o bobo para uma garçonete de 22 anos. Senhoras, eu peço desculpas: Para todos os homens que dizem, "porque comprar a vaca se você pode beber o leite de graça?", aqui está a novidade para vocês: Hoje em dia 80% das mulheres são contra o casamento, sabe por quê? Porque as mulheres perceberam que não vale a pena comprar um porco inteiro só para ter uma lingüiça. Nada mais justo." Arnaldo Jabor.

terça-feira, 29 de março de 2011

Parabéns a você! - O Primeiro

Esse mês faz um ano de “Sementes Negras em Brilhantes”. Estava eu em Monte Verde vivenciando o “estar” e ensaiando meus primeiros suspiros em “papel”, numa busca intensa de conexão com meus pensamentos e principalmente sentimentos. Para me ajudar nesse post, usarei algumas citações que me serviram de "guias"... Há um ano, tomei uma decisão que mudou minha vida. Decidi crescer. E para isso, iniciei uma jornada dolorosa e solitária, que por diversas vezes tive que parar nos “pit stops” para recarregar as energias e trocar os pneus... tentei outros combustíveis e até ensaiei em desistir, tive doces ilusões de que já tinha atingido a linha de chegada... mas não adiantou, era um caminho sem volta. Era a hora. Acho que isso se deu porque não agüentava mais aquele sentimento sufocante que nem sabia de onde vinha e porque sentia. Quem e o que me tiravam o ar??? Então li que "Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome" de Clarice Lispector. Comecei a entender o que me faltava, e principalemte, o que buscava! Li que “Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro acorda” (Carl Jung) e me identifiquei... uma vida admirando o externo, de comparações, de sonhos... Algo estava fora do lugar. Minha visão estava míope. Percebi que estava vivendo um padrão que não era meu, me alinhando a uma cultura que não admirava e considerando felicidade uma referência que não pertencia... estava me preparando para ser infeliz, e estava indo muito bem nessa tarefa!rs O pior é que nem percebia... Estava reagindo ao mundo, me defendendo, agredindo para me ajustar a ele... estava fora de mim, completamente perdida e ainda com a pretensão e arrogância de que sabia do mundo, que era mais e melhor, com todo meu conhecimento sobre a vida de uma criança de 8 anos... Percebi que não é assim. “Que por mais que nos façam, não nos tornam” (Aniram Sanoj) Mas nessa estrada, tomei o seguinte como lema: “A dor é inevitável, o sofrimento é opcional”. E é bem por aí... Doeu muito, quis (e ainda tento) fugir, pois crescer dói! Isso é inevitável... Mas sofrer é uma escolha, um apego, uma fuga ou até uma vingança... Optei por me divertir com isso, cultivar a alegria a cada etapa, envolver pessoas queridas e celebrar cada avanço! Foi assim que consegui chegar até aqui, o início da vivência dessa busca que não terá mais fim. Hoje, consciente de que “Amadurecer não é tomar as decisões corretas, mas saber lidar com as decisões tomadas” (Karin Izumi), me sinto livre para seguir meu caminho, cortando amarras, atenta aos escorregões, com força para perdoar e levantar, continuar e ,principalmente, com a certeza de que sou capaz!

terça-feira, 22 de março de 2011

Shakira? Também...

Confesso que não fazia questão, por isso não me esforcei muito... mas quando vi batendo à minha porta, resolvi abrir e receber o que viesse, mesmo porque não tinha planos para o dia e adoro experiências...

Bom, me refiro ao “Show da Shakira”, que da Shakira mesmo tinha a mídia, pois quando cheguei, de baixo de uma leve garoa, estava tocando um raggae que a priori imaginamos ser “Natiruts” (avalie o quanto conheço do assunto logo mais!) ou qualquer outra banda da família “ruts”, porém, tava muuuito bom aquele som, e olha que nem sou do raggae... resumindo, era nada menos que Zig Marley (filho do Bob)! Cheguei a arrepiar, confesso... E enquanto curtia aquilo tudo, recebia aquele presente, me perguntava porque só falavam do Show da Shakira... ZIG MARLEY!!!!
Bom... tempos depois, Shakira. O número de pessoas já aumentara e o aglomerado também... Sim, ela é linda, dança pra caramba, as músicas são boas e o show foi bom. Aquém do que imaginava, esperando não uma SUPER produção, mas alguns efeitos extra ou qualquer coisa que me surpreendesse... mas acho que depois do que já tinha tido, era mesmo difícil algo superar...

Mero engano, em partes...rs

Acabou. Passou até que rápido eu achei... tudo bem que passei um tempo procurando o pessoal porque fui ao banheiro e me perdi na volta, né...
Mas, não era o fim.
Esperávamos agora por Fat Boy Slim. Eu tinha um certo pré-conceito, por pura ignorância, hoje eu sei, mas achava que teria que encarar umas horinhas de tecno até finalmente poder sentar, comer e tirar aquele casaco úmido (a garoa apertara bastante e ouso dizer até que estava chovendo fino...rs).
Não demorou uma música pra eu me fixar nele. Que delícia de som! Animou a galera que já se dispersava e segurou todos até o final! Mais uma deliciosa surpresa fechando com chave de ouro o evento e meu investimento de R$200.
No final, para mim, os coadjuvantes se transformaram nos verdadeiros astros, converteram seu irônico “anonimato” em “donos da festa” e fizeram daquele simples evento numa deliciosa descoberta.

segunda-feira, 21 de março de 2011

São Luis. Do Maranhão.

É abafado. Nublado, e... bem abafado.
Se você acha que já viu gente com déficit de beleza na sua vida... bem vindo à São Luis. Se você acha que já conheceu gente com alta auto-estima na sua vida, bem vindo à São Luis.
A premissa aqui é “Nóis é feio, mas se diverte”. Sim, há um certo “desprovimento”, mas temos que lembrar que tudo é questão de referência, o que torna muito interessante observar que a felicidade é realmente relativa e nem sempre medida pelo que se tem e sim como se vive com isso... são felizes com que e como são. Se sentem bem assim e tá tudo certo. E pensa que o belo se sobressai aqui? Nada como um vestido amarelo, justo e curto cobrindo qualquer tipo de corpo de uma mulher com um salto 15cm rosa choque! Ah! Tenho que admitir, os homens, em sua maioria, são bem saradinhos, mas aquele tipo de pintura que temos que nos limitar a ver de longe, abdicando de todo e qualquer detalhe... rs
O Guaraná é Jesus, literalmente rosa, uma mistura de guaraná com xarope...


O taxímetro começa com R$2,50, mas como gira rápido esse troço...Ah, é claro! É porque às 18:55h começa bandeira 2, independente do dia... maravilha! E cada um cobra como quer, né, uns preço fechado, outros não... enfim.... o mundo maravilhoso dos profissionais do trânsito.
Sem contar que cada viagem é um verdadeiro Rali do Asfalto! Nunca vi ruas tão mal pavimentadas! Isso porque ainda é propaganda de campanha do prefeito! Imagina o resto! rs
E como em qq lugar, tem de tudo: pessoas simpáticas e... grossas, pra não dizer outra coisa...
Tem gente do bem... e desprovida de educação também!
Nos outdors só se vê banda tipo Calypso. Aqui Casas Bahia é Gabryella.
Homens com uma vaidade latente, mas tudo cabra macho, “Sim Senhô!”. O machismo é cultural e luzes no cabelo é moda pra “cabra macho”! Ah! Anel, pulseira, colar e claro, sapato social preto com meia esporte branca são quesitos indispensáveis no figurino! E quanto tênis branco...rs
Mas como é incrível ver o ir e vir da maré... agora com ondas e em instantes só areia por metros de distância. Aqui tudo muda em questões de horas. Inclusive o sol e a chuva... E como venta na praia! Porém o mar só tem marola, parece uma piscina... Tudo muito doido...

Não, esse não é mais um relato tosco de uma paulistinha arrogante, mas só um olhar de uma pessoa crítica que não tem mais o que fazer.

domingo, 13 de março de 2011

Desabafo

Hoje me dei conta de algo que me incomoda...

Tenho uma necessidade de compartilhar momentos, trajetórias, crescimento, percepções...
Mas o lance é que cada um tem seu momento, literalmente, e por mais próximos que estejamos, dificilmente é o mesmo. Podemos até achar que sim, mas sinais nos trazem à realidade: nossa jornada é solitária.

E o que fazer então? Como viver em companhia se as histórias não se conjugam?
Trocar as pessoas do nosso convívio cada vez que mudamos de fase? Ter uma para cada “área” da vida? Desvincular totalmente e viver sozinho? Hum...

Entendo então que o desafio é respeitar o momento de cada um, no máximo “puxar”, induzir, estimular uma certa visão ou caminho, mas a execução em si, a decisão de atuação é exclusivamente da pessoa. E enquanto isso? Esperamos, assistimos, acompanhamos, respeitosamente, com carinho e admiração, o caminho de cada um: o nosso e o dele, pois, enquanto estamos desbravando o nosso (e torcendo para que nos acompanhem), certamente eles estarão fazendo o mesmo, e ambos estaremos deixando passar algo que, mais pra frente iremos trocar. Enquanto os esperamos, eles esperam por nós.

Por isso, não é trocando a companhia por jornada, mas amando as que fazem parte da nossa. Nós as escolhemos e somos escolhidos por elas (de uma maneira ou de outra). Só por amor e com amor somos capazes de entender, respeitar, perdoar e tolerar essas diferenças. É com esse amor que devemos dar as boas vindas, ou dizer adeus.

terça-feira, 1 de março de 2011

A ti, e a mim também!

- Ei! Estive pensando e parei em você...

Lembrei de muito do que já vimos e dissemos. Muito do que já rimos e (loucuras) fizemos. Lembrei de pouco do que quis dizer e não consegui e muito do que disse sem querer...

Lembrei das vezes que menti e fugi. E das que encontrei e acreditei. Duvidei. Das que ignorei e nos salvei.

Lembrei das vezes que tentei te esquecer e que esqueci do que já aprendi pra fazer isso acontecer.

Ri sozinha. Chorei também. Pois nada nem ninguém, nem por um instante, já me fez tão bem. E mal também.

No fim sorri e, sonhei... Me abracei, acariciei, perdoei e amei. Assim como você me faz. E eu a ti também.

Fui muito mais além. E isso, com você, meu Bem.


E hoje eu sei! Amo a ti, mas a mim também!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Rafaela - "Curada por Deus"

O nascimento é o milagre do presente e a esperança do futuro.

Hoje, fomos presenteados com a chegada da Rafaela.

E vendo-a ali, me veio um sentimento de extensão, de pertença, de grandeza... imagem e presença da divindade.
Hoje, as flores tiveram uma cor especial, os sons foram mais doces, o sol brilhou com uma nova força, a água veio para abençoar e as estrelas sorriram festejando essa nova chegada.

Ela veio com olhos dispostos a ver todo o precioso, abraçar todo o alegre e querendo, sem condições, amor. Assim, nos faz, de alguma forma, querer o mesmo. Dar o mesmo.

O nascimento é o primeiro milagre da vida. E para quem o presencia é uma emoção genuína que refresca a alma e alerta para as belezas da vida, deixando assim todas as mazelas de lado.

Bem vinda à nossas vidas! Linda e bela, Rafaela!

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Alma

Já ouvi, não aceitei. Sonhei...

Amor de alma.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Linda Rosa - Maria Gadú

Pior que o melhor de dois
Melhor do que sofrer depois
Se é isso que me tem ao certo
A moça de sorriso aberto

Ingênua de vestido assusta
Afasta-me do ego imposto
Ouvinte claro, brilho no rosto
Abandonada por falta de gosto

Agora sei não mais reclama
Pois dores são incapazes
E pobres desses rapazes
Que tentam lhe fazer feliz

Escolha feita inconsciente
De coração não mais roubado
Homem feliz, mulher carente
A linda rosa perdeu pro cravo

Homem feliz, mulher carente
A linda rosa perdeu pro cravo

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Dose

É cabível, mas não comum... não entre nós. Mas algo se partiu. Pisamos em ovos, medimos palavras, nossos olhares se cruzam apenas por instantes, e nossos sorrisos trazem seus pesares, as gargalhadas tentam resgatar a cumplicidade, mas não se sustentam. Nossos toques como choques e nossos corpos agora se repelem com medo do que foi e não é mais. Medo do que será, de onde podemos chegar... como se ainda estivéssemos na fase da primeiras impressões, nos re-conhecendo.

Mas nossas almas se pedem e sedentas, vagam. Se encontram, se acalmam. Se afastam, se abafam. Um jogo repleto de armadilhas que caímos com gozo recheado com o sabor do pecado, do errado.
Medo de estar, mas com pavor de partir. Medo de ter e perder. De não merecer.

Presos num amor nostálgico. Por milésimos vivemos essa utopia de forma tão real. Como um sonho, e dele acordamos, relutando a abrir os olhos tentamos fugir de nós para só dele viver... que vontade de você. Não sei viver sem sentir você, mesmo que só em mim.
Foi tudo tão rápido, mas numa sincronia perfeita e intensidade perturbadora.
E mesmo que passado, aquele momento nos perturba e nada se iguala.

E dessa memória nos alimentamos. Seria o hoje ou o ontem uma ilusão?
E quem vive de realidade? Dela apenas se existe, se resiste.
Mas você, você sempre estará comigo. Foi a forma de amor que aprendi, que reconheço, que me apego. Nosso amor não se explica, não se mede, não se entende apenas se sente.

Você é meu sonho e pesadelo. É ar e fobia. É vida e morte. Cicatriz na alma. “Você é meu raio de sol”.

Mesmo sem mais um só gole de você, meu corpo jamais perderá sua memória.

Desembaraço

Fui criada, não educada. Criada não para o mundo, mas para um mundo. E esse projeto falhou por uma razão: acordei do seu sonho.
Por um instante me faltou ar, afogada com tudo que me enchia para suprir o vazio causado por estar tão longe de mim, de ti, sozinha.
Me abandonei para te satisfazer, só queria te fazer feliz, acreditava que podia! Te dei minha vida, e ainda assim choravas. Fui o que quis e quando sentia seu amor, me vinha a insensatez de que o que amava não era a mim, mas uma ilusão, sua projeção. Tudo em vão. E o que me tinha? Seu mais puro amor... o melhor que entendia dele.

Ganhei a vida e dela nada me fiz. Te dei, e mesmo ela não te fez feliz.

Seguir seus passos, atender a seus chamados, ser como e melhor que você... Sua vida repetir?

Um amor mentiroso, esse ciclo vicioso, seu veneno desgostoso, sua insaciedade, árdua felicidade...

Aprendi esse amor dependente que suga a gente. O que fez de mim? O que quer comigo?

E hoje o que vivo? Um amor que suga e alimenta. Amor que vicia e liberta. Mas que não atende, não satisfaz.

Partir. Porque o que não se desamarra, se corta.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Sonhar acordado

O que ser quando crescer?

Ok, tudo bem, parece um pouco tarde para uma mulher de quase 30 fazer essa pergunta... Mas o que fazer quando se tem espírito inquieto e nenhum talento para acompanhá-lo?

Já quis ser professora, aeromoça, psicóloga, atriz, dançarina, mulher de marido rico, mochileira, designer de jóias, turismóloga... E acabei não sendo nada disso... Não tenho nenhum dom especial que me fez desde pequena saber qual seria meu destino, minha missão, meu dom. Fui arriscando um pouco aqui, um pouco ali e até fiz algumas coisas legais. Mas ainda não foi o suficiente para cessar minha sede e aquietar minha busca.

Então, ignorante do meu caminho, aceitei o sugerido. Optei pelo “Plano B”. Fiz faculdade de Hotelaria e me especializei em Recursos Humanos. Hoje, o chamo de Plano “B de boicote”. rs

20, 30, 40 ou 50 anos... quanto tempo será necessário!? Qual o caminho para essa descoberta?

Hoje li que “Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda” do Carl Jung e entendi que esse tem sido meu caminho, mas agora me resta a estrada para alimentar essa busca. Olhar para fora e tentar reconhecer o que vi aqui dentro.

Ter paixão pelo que se faz. Tesão pelo que se tem. Satisfação com a jornada. Missão que norteia. Profissão que proclama... Essa é minha procissão.
Porque “a vida é muito curta para ser pequena”, não é mesmo? – (Disraeli)


Esse é meu novo projeto. Plano E “de É pra lá que eu vou!!!” rs

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

* Pérolas

Resolvi começar a registrar aqui algumas *Pérolas* que a vida me traz...

Então...

"- Eu era muito dependente dele, terminávamos e no dia seguinte já estava eu atrás, pois não conseguia me ver sem ele nem 1 dia... E dessa vez eu decidi, e não fui mais atras, desapeguei..
- Mas o que fez de diferente dessa vez, digo, como conseguiu se desapegar?
- Primeiro eu comprei um GPS..."

rsrs... sim, com uma naturalidade incrível! SENSACIONAL!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Um em mil. Mil em um.

Perceber-me no meio de desconhecidos, mas com um que me faz sentir completa.
Perceber-me no meio de amores, mas que sem um me faz sentir completamente só.